• institutodocoracao

Hipertensão Arterial


Uma doença silenciosa, sem sintomas que, justamente por isso, se torna perigosa. É uma doença sorrateira, que se instala anonimamente e só dá as caras depois de prejudicar o funcionamento do cérebro, coração, rins e ou outros sistemas do corpo.


Hipertensão arterial, também conhecida como pressão alta, é uma doença crônica que ocorre quando a pressão sanguínea nas artérias é persistentemente elevada, ela se caracteriza por valores das pressões máxima e mínima iguais a ou maiores que 140/90 mmHg (ou 14 por 9).


Essa “pressão arterial” diz respeito à força que o sangue faz sobre as artérias para conseguir circular pelo organismo e se divide em dois tipos: sistólica e diastólica.


A pressão sistólica é aquela exercida sobre os vasos sanguíneos no momento de contração dos músculos do coração e, em níveis normais, chega a até 120 mmHg


A pressão diastólica (exercida sobre os vasos sanguíneos no momento de relaxamento do coração) em níveis normais é de 80 mmHg e, em níveis altos, passa dos 90 mmHg. Resumidamente: se a pressão é maior que 14 por 9, isso significa que o coração está se esforçando excessivamente para que o sangue chegue até todo o corpo.


Os sintomas da hipertensão geralmente aparecem apenas quando a pressão sobe muito e/ou quando o paciente já está exposto à doença por muitos anos. Ela pode se manifestar na forma de dor de cabeça, tonturas, dores no peito, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada ou até sangramento nasal.


Você precisa se preocupar e se atentar, pois a hipertensão é uma doença absolutamente assintomática, por isso, você acaba não a reconhecendo e passa boa parte do tempo seguindo a vida “normalmente”. Acaba só tomando conhecimento do problema depois que a doença já causou estragos.


Por ser uma doença “silenciosa”, medir a pressão regularmente é a única maneira de diagnosticar a hipertensão: pessoas acima de 20 anos de idade devem medir a pressão ao menos uma vez por ano. Se o paciente tiver familiares hipertensos, a medição deve ocorrer ao menos duas vezes por ano.


FATORES DE RISCO NÃO CONTROLÁVEIS


Existem dois grandes fatores que não são controláveis e aumenta a incidência de Hipertensão, são eles:

  1. Idade - homens acima dos 55 anos e mulheres acima dos 65 têm mais chances de desenvolver pressão alta;

  2. Genética - se você tem algum parente próximo que tenha pressão alta, suas chances de desenvolver a doença são maiores.


FATORES DE RISCO CONTROLÁVEIS


Existem outros diversos fatores de risco que são controláveis, veja abaixo:

  1. Excesso de peso - o sobrepeso dificulta a circulação do sangue, o que pode aumentar a pressão nos vasos;

  2. Excesso de sal - o sódio retém água no organismo, o que pode obstruir os vasos sanguíneos;

  3. Sedentarismo - não praticar atividade física aumenta as chances de desenvolver a hipertensão;

  4. Tabagismo - substâncias tóxicas presentes no cigarro contraem os vasos sanguíneos, o que aumenta a pressão arterial;

  5. Consumo de álcool - além de ser muito calórico, o álcool aumenta a pressão arterial no organismo;

  6. Estresse - passar por muitas situações de estresse no dia a dia pode ser um fator de risco para a pressão alta.


COMPLICAÇÕES DA HIPERTENSÃO


Conforme mencionamos anteriormente a Hipertensão Arterial pode causar diversas complicações, as principais são:

  1. Ataque cardíaco;

  2. Insuficiência cardíaca;

  3. Acidente vascular cerebral;

  4. Insuficiência renal.


TRATAMENTOS PARA HIPERTENSÃO


O tratamento pode ser feito com o uso de medicamentos. Entretanto, eles não curam a hipertensão e para a maioria das pessoas, o tratamento precisa ser por toda a vida.


Existem alguns hábitos saudáveis que são recomendados para quem tem e que também para quem quer prevenir a Hipertensão, veja o que você pode fazer:

  1. Reduza o sal;

  2. Prefira alimentos frescos e feitos em casa;

  3. Pratique exercícios físicos;

  4. Limite o consumo álcool;

  5. Não fume;


A pressão alta não tem cura, mas tem tratamento e pode ser controlada.


Faça exames regularmente e procure o seu médico, pois só ele poderá determinar o melhor tratamento.

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo